Resolução da ANA foi publicada hoje (02) no Diário Oficial. Após a análise de cada situação, poderão ser adotadas medidas, como regras de operação temporárias para os reservatórios preservar seus volumes. A medida tem como objetivo assegurar condições uso e operação de reservatórios ou sistemas hídricos da região.

A Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) publicou, no Diário Oficial da União de hoje (02), resolução que declara “situação crítica de escassez quantitativa dos recursos hídricos” na Região Hidrográfica do Paraná até o dia 30 de novembro. Após a análise de cada situação, poderão ser adotadas medidas, como regras de operação temporárias para os reservatórios preservar seus volumes. Ademais, há algumas semanas o presidente Jair Bolsonaro já havia apontado para o problema na região.

Medidas da ANA são preventivas e visam evitar racionamento no uso de água na região

De acordo com ANA, as medidas têm como objetivo “assegurar os usos múltiplos, poderá definir condições transitórias para a operação de reservatórios ou sistemas hídricos específicos, inclusive alterando temporariamente condições definidas em outorgas de direito de uso de recursos hídricos“. Para tanto, a Resolução nº 77/2021 cria um grupo técnico de assessoramento que contará com a participação dos órgãos gestores dos recursos hídricos dos estados que abrangem a região hidrográfica.

Ainda de acordo com ANA, por meio de medidas adotadas preventivamente, a pretensão é mitigar possíveis riscos de racionamento de água. Ainda de acordo com a agência, a Região Hidrográfica do Paraná passa por um déficit de precipitações severo desde outubro de 2019. Ademais, diversos locais dessa região registraram vazões baixas a extremamente baixas tanto em 2019 quanto no período chuvoso de 2020/2021, quando foram registradas as menores vazões afluentes.

Quanto aos volumes armazenados nos reservatórios, em 1º de maio, sete dos 14 principais reservatórios de hidrelétricas da região estavam com seu pior nível desde 1999. E os demais estavam com níveis entre os cinco piores desse período.”

Adaptado de: Agência Brasil.

Filie-se agora ao Movimento Conservador! Acesse: