Após migrar do PSOL para o PSB, seguindo estratégia de aproximação ao centro, Marcelo Freixo admite alianças com PT, Rodrigo Maia e até mesmo quadros da direita. “Não é por questão eleitoral, é por marco democrático, o que está em jogo é enfrentamento ao fascismo”, justifica. O socialista pretende concorrer ao governo fluminense.

Marcelo Freixo (deputado federal, agora filiado ao PSB) não descarta unir-se a quadros ligados mais ao centro da política, e até mesmo da direita, para enfrentar possíveis candidatos apoiados por Jair Bolsonaro na próxima eleição. A afirmação foi feita durante uma entrevista ao jornalista petista Leonardo Sakamoto, do UOL. A foi dita pelo deputado federal no mesmo dia em que se desfiliou do PSOL, informa Pleno News.

De acordo com Pleno.news, durante a entrevista, Freixo não descartou negociar com o ex-presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e até mesmo quadros da direita brasileira para enfrentar candidatos apoiados pelo presidente Jair Bolsonaro ao governo do Rio de Janeiro. Ademais, a ideia é formar um grande bloco em oposição aos nomes ligados ao atual Chefe do Executivo nacional.

Claro que sim, não tenho a menor dúvida, e não é por questão eleitoral, é por marco democrático, o que está em jogo é enfrentamento ao fascismo. […] Não tenho a menor dúvida que Lula é o candidato que pode derrotar Bolsonaro. E é esse o meu desejo, inclusive. […] (Lula é) quem tem condições evidentes de construir um programa e um projeto progressista de centro-esquerda e é perfeitamente capaz de derrotar Bolsonaro, o que é muito importante para a democracia brasileira.

Freixo vê Lula da Silva como única saída a Bolsonaro

Ainda de acordo com a publicação, Marcelo Freixo já se reuniu com o ex-presidiário Lula da Silva e com a presidente do PT, Gleisi Hoffman. Além dos deputados Alessandro Molon (PSB), Jandira Feghali (PCdoB) e André Ceciliano (PT). Ademais, para ele a candidatura de Lula é a única que poderá vencer Bolsonaro.

Lula da Silva e Eduardo Paes se reúnem no RJ

Lula da Silva, Rodrigo Maia (deputado federal), Eduardo Paes (prefeito do Rio de Janeiro pelo PSD) e Felipe Santa Cruz (presidente da OAB) reuniram-se no Rio de Janeiro para um almoço ontem (11). No evento, foram discutidas candidaturas e estratégias políticas para as eleições do próximo ano, 2022.

De acordo com Gazeta Brasil, o encontro faz parte das articulações do petista para formar uma frente ampla para as eleições presidenciais de 2022. Ademais, Eduardo Paes teria anunciado a Lula da Silva que o presidente da OAB será seu candidato ao governo do estado fluminense no próximo ano.

Ainda de acordo com a publicação, o socialista Santa Cruz é, obviamente, um ferrenho crítico do governo de Jair Bolsonaro. O advogado chegou a ser filiado ao PT na juventude e tentou virar vereador em 2004, mas não foi eleito.

Por sobrevida do PT, Lula da Silva mantém articulações com o centro para 2022

Assim como fez com Eduardo Paes, filiado ao partido de centro-esquerda PSD, Lula da Silva pretende manter a posição de seu partido, o PT, como principal expoente da esquerda e centro aglutinador da oposição à direita. O socialista mantém diálogo com figuras centrais em partidos de centro-esquerda, pois sua estratégia é enviar uma mensagem ao ‘centrão’ de que o Partido dos Trabalhadores pode fazer um governo sem radicalismos e de coalizão.

Tanto é que os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Lula da Silva almoçaram juntos mês passado em São Paulo (SP). O articulador do encontro foi o ex-ministro Nelson Jobim. Ele atuou como Ministro da Justiça do governo tucano e da Defesa no governo petista. De acordo com Gazeta Brasil, hoje ele está como presidente no conselho da BTG.

Filie-se agora ao Movimento Conservador! Acesse: