O lucro da Meta, a empresa que controla o Facebook, o Instagram e o WhatsApp, registrou queda de 21% em seu lucro no primeiro trimestre de 2022, o que é considerado um dos piores resultados nos últimos 10 anos. As informações são do balanço financeiro da própria empresa, que foi divulgado na última quarta-feira, 27.

Apesar da negativa no lucro, as redes sociais de Mark Zuckerberg viram um aumento no número de usuários mensais ativos: no final de março, as redes possuíam quase 3 bilhões de usuários por mês, aumento de 3% na comparação com o mesmo período de 2021. A quantidade de anúncios no Facebook, uma das principais fontes de receita da empresa, aumentou 15%, fazendo o custo por publicidade cair 8%.

No entanto, o metaverso, o novo produto da empresa que trabalha com realidade aumentada, está sendo o principal responsável pelo prejuízo. Em 2021, o metaverso deu prejuízo de 1,8 bilhões e em 2022, o valor segue em 2,9 bilhões, perto de dobrar em relação ao ano passado.

Censura segue sendo o principal problema

A censura nos aplicativos da Meta continua sendo a maior reclamação dos usuários. Em 2020, uma matéria da BBC Brasil mostrou as reclamações sobre exclusão de páginas e canais estavam incomodando não só pessoas de direita como também pessoas de esquerda. A matéria traz queixas de Gleisi Hoffmann, deputada e presidente do PT, e do deputado Eduardo Bolsonaro (PL-SP), o que levantou alertas sobre se a censura do Facebook é de fato teoria da conspiração, como alega a companhia.