Imitando Lula da Silva, Sérgio Cabral pede que o STF anule as decisões de Sérgio Moro que pesam contra ele. Defesa entrou com habeas corpus no pedindo anulações no âmbito do processo em que ele é réu na Lava Jato.

Ex-governador do Rio de Janeiro e réu no âmbito da Operação Lava-Jato, Sérgio Cabral, entrou com um pedido de habeas corpus no Supremo Tribunal Federal (STF) para anular todas as decisões do ex-juiz Sergio Moro. Os advogados do político usaram como exemplo para o expediente o caso do ex-presidente Lula da Silva, que teve suas condenações, no bojo da investigação, anuladas.

De acordo com Gazeta Brasil, o argumento usado pelos advogados de Lula da Silva foi que a Justiça Federal do Paraná não tinha competência para julgar supostos crimes cometidos pelo socialista em São Paulo (SP). De igual modo, a defesa de Sérgio Cabral argumenta que a 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba não tem competência para julgá-lo. O caso dele envolve supostos pagamentos de propinas pela empresa Andrade Gutierrez nas obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj).

Ainda de acordo com a publicação, Sérgio Cabral foi condenado por Sérgio Moro, ainda em 2017, a 14 anos e dois meses de prisão. De acordo com a decisão proferida à época, o político teria recebido R$2.7 milhões em propinas. No pedido, os advogados afirmam que as decisões emitidas no âmbito da Lava Jato “não têm a Petrobras como centro, mas somente figura colateral”. Isto comprovaria a incompetência 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba.

Liminar de Sérgio Cabral enviados a Edson Fachin, que mandou soltar Lula da Silva

Ainda conforme publicou Gazeta Brasil, o pedido liminar foi encaminhado para o ministro Edson Fachin, da 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF). O juiz é relator da Lava Jato no Supremo e foi o ministro que emitiu decisão liminar para anular a sentença de Lula da Silva na operação.

Preso desde 2016, o ex-governador do Rio de Janeiro já foi condenado a 346 anos, 9 meses e 16 dias de prisão. São 18 sentenças já proferidas contra o político, informa a reportagem.